O cafeicultor já possui diversas preocupações com o bom funcionamento da sua propriedade e cafezal, sendo assim, qualquer problema que possa ser minimizado deve ser considerado.

Eliminar ou minimizar a incidência de pragas ou doenças que prejudicam suas lavouras é portanto uma dor a menos. Viemos então te apresentar algumas maneiras combater a ferrugem, hoje uma das principais doenças que atacam as lavouras de café, a primeira delas é a prevenção, mas também maneiras de contorná-la, caso o problema já esteja presente.

A ferrugem é uma patologia causada pelo fungo Hemileia vastatrix Berk que possui em torno de 12 raças no Brasil. Esse fungo é capaz de causar até 50% de perda na sua produção de café e é muito conhecido por provocar seca de ramos, reduzindo a vida útil produtiva da lavoura, além da queda das folhas. Ele se desenvolve com mais facilidade em regiões com umidade elevada e temperatura entre 20 e 24°C, ou seja, o período de chuva é mais propenso à infestação da praga.

Atualmente é possível prevenir a doença através de cultivares resistentes ao fungo. A Epamig (Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais) tem estudado alternativas para a ferrugem desde seu surgimento no Brasil na década de 70. A empresa conquistou alguns avanços em conjunto com a UFV e a Ufla, desenvolvendo variedades de café arábica que são resistentes à praga. Eles afirmam que estas oito cultivares podem evitar que a ferrugem apareça:

 Paraíso MG H 419-1; 

 Catiguá MG1, MG2 e MG3; 

 Araponga MG1; 

 Pau-Brasil MG1; 

 Sacramento MG1.

Como dissemos anteriormente, o fungo causador possui em torno de 12 raças, mas apresenta um nível alto de variabilidade, o que pode contribuir para o surgimento de novas raças que consigam atingir as cultivares desenvolvidas.

Outra maneira de prevenir o aparecimento da ferrugem na sua lavoura de café pode ser a adubação equilibrada, ou seja, dar preferência ao cultivo a pleno sol, em contraposição ao sombreado e, portanto, retirar as brotações (desbrota) que surgem para evitar o autosombreamento; se preocupar com espaçamentos mais largos nas entrelinhas; e realizar podas periódicas.

Você ainda tem a opção de realizar o controle da ferrugem através da aplicação de fungicidas, podendo eles serem protetores (controle preventivo) ou sistêmicos (curativos).

Os fungicidas protetores são fungicidas cúpricos, ou seja, com oxicloreto de cobre ou hidróxido de cobre, o que confere a ele ainda a importante ação de adicionar o cobre, que é um micronutriente relevante na produção de café, e ainda cria uma barreira tóxica contra o fungo. Para um controle preventivo com eficiência, é recomendado 4 aplicações dos fungicidas cúpricos por ano, entre dezembro e março.

Já a ação dos fungicidas sistêmicos é penetrante e, portanto, elimina a doença dentro do tecido das plantas. O controle pode ser feito via foliar ou solo e a maior parte são a base de triazóis e inseticida (neonicotinóides) ou estrobilurinas.  Os triazóis induzem ao colapso da célula fúngica porque atrapalha a formação das membranas destas células.      


Nosso sistema de gestão permite realizar o controle dessas pragas e doenças através do acompanhamento de manejos específicos e períodos de infestação, controle de carência e reentrada, alertas e metas de infestação por tipo de praga, entre outros controles. Agende uma demonstração e saiba como nossa solução de gestão rural pode contribuir para o crescimento da sua propriedade.

Você conhece mais alguma alternativa eficiente para o controle de ferrugem nas lavouras de café? Conta pra gente através do e-mail contato@agrosolutions.agr.br. E se quiser saber mais ou tem alguma dúvida sobre controle de pragas e doenças no cafezal, nos envie que nós vamos atrás pra você.

Sobre o autor

Lívia Amaral
Estudante de Economia na Universidade Federal de Uberlândia. Marketing e Comercial da Agrosolutions.

Compartilhar:
Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter

Veja também!